Criando lendas
Hollywood criou homens, mitos e lendas. O Jeans sempre foi companheiro do cotidiano e da vida americana e esteve na pele de seus principais herois.
brando
Marlon Brando

 
wayne
John Wayne

 
cooper
Gary Cooper

 
newman
Paul Newman

 
mcqueen
Steve McQueen


 Empresa Responsável

Mais 
Stonecolor
   

login

A Velha calça desbotada

James Dean
James Dean em "Giant" Warner Bros 1956
Jeans, a história  Jeans, a história  Jeans, a história 

A roupa universal

Jeans atravessou todas as fronteiras, entrou em lugares onde não havia nenhuma forma de mídia que  ao menos pudesse citá-la - ao contrário do que acontecia,por exemplo com o Marlboro, a Coca-Cola , a Gillette e outros tantos produtos que arrebataram o mundo nos anos 50 e 60. O Jeans se espalhou no corpo das pessoas e conquistou o mundo sem distinção de raça, língua, cor, cultura ou mesmo costumes. Qual fenomeno atingiu tamanha massa e tamanha atenção? Qual costume foi tão popularizado? Uma roupa universal parecia ser o sonho de algum socialista comunista, como aconteceu com com a imensidão de chineses com suas túnicas no período comunista de Mao Tsé Tung. Mas aquilo era por falta de opção. Era o que se tinha. O Jeans cresceu em outro mundo, onde se encontrava o capitalismo e a democracia, mostrou igualdade entre as pessoas, mas sempre com personalidade, virou ícone da liberdade. Igualdade sim, mas a liberdade antes.

Hollywood

laro, houve Hollywood e aqueles filmes muito loucos para a época (1954/55/56) onde apareceu James Dean, simples demais - calça jeans e camiseta - e ao mesmo tempo descontraído e rebelde. E como não citar aquele outro ator que estava sempre sério e falava murmurando....Marlon Brando fez a história do jeans levando para Hollywood a roupa que usava em seu dia a dia, ou seja, não havia muita distinção entre o homem e o ator. 

A terra é azul!

m 12 de Abril de 1961, o Major Yuri Gagarin, espremido em sua Vostok I, pronuncia maravilhado: "A Terra é Azul!" O Planeta vivia uma enorme revolução cultural. Enquanto Elvis envelhecia sem mais rebeldia, éramos chacoalhados pelos Beatles. Em outro cenário talvez, mas na mesma erupção vinham Bob Dylan e, logo, Jimi Hendrix. Ah, Woodstock. Onde vamos parar?

O Mundo usa

assim, o produto ganhou força e estabeleceu uma nova relação física e visual com os jovens; uma linguagem com o próprio corpo,  que transcende aos aspectos que levam o homem a preservar sua pluralidade, o que o torna tão diverso e pessoal. Duas pessoas diferentes não costumam gostar quando descobrem que estão,naquele dia, usando a mesma camisa ou a mesma calça. Mas se a tal camisa ou a calça é um jeans,isto indica afinidade. Daí,ocorre o inusitado: o mundo inteiro vestindo a mesma roupa. Uma tamanha massificação que parece ser real apenas através de uma imposição socialista (imagine uma comunidade onde todo mundo veste a mesma roupa porque não tem outra opção),o jeans realizou e realiza, partindo de um absoluto regime capitalista e democrático:Os Estados Unidos da América.

Globalização

oje,se fala tanto em globalização por que de fato ela efetivamente está acontecendo. Pioneiro neste assunto, o  Jeans foi um dos primeiros produtos industrializados a tornar-se global. Bem, estamos falando de uma calça e talvez de uma jaqueta.É claro que foi muito mais fácil se obter um jeans nos anos 60 que comprar um Ford T nos anos 30.   Apesar de ser aceito, incondicionalmente por todas as classes sociais, o Jeans sempre foi um grande ícone das democracias e do capitalismo. Hoje é possível comprar uma calça Jeans por US$10,00 e outras - mais sofisticadas e de marcas - por US$600,00.

LEVIS, LEE e US TOP

Jeans, de tão durável e resistente, para muitos já foi considerado um "bem durável" . Surgido por volta de 1849,quando Levi Strauss - comerciante de tecidos - sentiu a necessidade de uma roupa resistente para os trabalho pesado dos trabalhadores das minas, o jeans ganhou seu mercado como roupa de trabalho. Mas nesta época ninguém poderia imaginar o tamanho do sucesso  que estava por vir. No Brasil, vestimos o jeans de contrabando: o país se mantinha fechado às importações. Havia a Levis e também a Lee, esta mais acessível. A calça chegava dura e pesada como um bacalhau seco, havia ainda algum resquício da lona de Levi Strauss. Quando da primeira lavagem,em casa,tinhamos a impressão de que a calça ficava ainda mais dura.Portanto só se obtinha algum conforto após muito uso. Até que a  São Paulo Alpargatas investiu em equipamentos e deu início à produção, não só do tecido índigo, mas também da primeira marca de jeans do país: US TOP

Usada é melhor

om a industria do tecido índigo floresceu uma recém criada industria de confecções prêt-a-porter que se voltou para o jeans.  Mas,curiosamente,as pessoas passaram a cultuar cada vez mais o jeans em seu estado de  velhice,ou seja,este robusto conjunto precisava estar usado para se tornar  jeansmais bonito e confortável. E só havia um jeito de fazer com que isto acontecesse de forma rápida: Lavar a roupa várias vezes.  Enquanto os adeptos do Jeans cresciam rápida e vertiginosamente em todo o mundo, era cada vez mais comum a invenção de receitas caseiras para tornar a roupa desbotada e envelhecida. Tomar banho com sua calça Jeans de Indigo, esfregando-lhe uma pedra de sapólio em áreas localizadas,faziam a  roupa nova e sem graça ganhar estilo e personalidade.  Daí  não é difícil imaginar como é que o jeans foi parar na Lavanderia Industrial. 

  Texto de Claudio Daga / 1997

   Veja Também:
Levi´s História do Jeans de Levi Strauss. Arquivo com a linha do tempo (timeline) em formato pdf.